terça-feira, 14 de janeiro de 2014

VOLTAMOS!!!

Estamos de volta !!! Eu decidi  voltar com o blog, pois agora estou com mas tempo e não é fácil cuidar da pagina no facebook , blog, e o canal no youtube, estou procurando pessoas para me ajudar a cuidar e manter o HERÓI DE GUERRA MILITARIA quem tiver algum conhecimento militar comente e deixe seu
 e-mail q eu entrarei em contado.
Muito obrigado!
Editor Chefe Specian.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Brasil-Proclamação da República.


História da Proclamação da República, feriado do dia 15 de Novembro, crise da monarquia, Marechal Deodoro da Fonseca, movimento republicano, história do Brasil, fim da monarquia, democracia no Brasil.



No final da década de 1880, a monarquia brasileira estava numa situação de crise, pois representava uma forma de governo que não correspondia mais às mudanças sociais em processo. Fazia-se necessário a implantação de uma nova forma de governo, que fosse capaz de fazer o país progredir e avançar nas questões políticas, econômicas e sociais.

Crise da Monarquia

- Interferência de D.Pedro II nos assuntos religiosos, provocando um descontentamento na Igreja Católica;

- Críticas feitas por integrantes do Exército Brasileiro, que não aprovavam a corrupção existente na corte. Além disso, os militares estavam descontentes com a proibição, imposta pela Monarquia, pela qual os oficiais do Exército não podiam se manifestar na imprensa sem uma prévia autorização do Ministro da Guerra;

- A classe média (funcionário públicos, profissionais liberais, jornalistas, estudantes, artistas, comerciantes) estava crescendo nos grandes centros urbanos e desejava mais liberdade e maior participação nos assuntos políticos do país. Identificada com os ideais republicanos, esta classe social passou a apoiar o fim do império;

- Falta de apoio dos proprietários rurais, principalmente dos cafeicultores do Oeste Paulista, que desejavam obter maior poder político, já que tinham grande poder econômico;

Diante das pressões citadas, da falta de apoio popular e das constantes críticas que partiam de vários setores sociais, o imperador e seu governo, encontravam-se enfraquecidos e frágeis. Doente, D.Pedro II estava cada vez mais afastado das decisões políticas do país. Enquanto isso, o movimento republicano ganhava força no Brasil.

A Proclamação da República

No dia 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, com o apoio dos republicanos, demitiu o Conselho de Ministros e seu presidente. Na noite deste mesmo dia, o marechal assinou o manifesto proclamando a República no Brasil e instalando um governo provisório.

Após 67 anos, a monarquia chegava ao fim. No dia 18 de novembro, D.Pedro II e a família imperial partiam rumo à Europa. Tinha início a República Brasileira com o Marechal Deodoro da Fonseca assumindo provisoriamente o posto de presidente do Brasil. A partir de então, o pais seria governado por um presidente escolhido pelo povo através das eleições. Foi um grande avanço rumo a consolidação da democracia no Brasil.
fonte:http://www.suapesquisa.com

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Quem disse que ele não amava ?

Para alguns historiadores e pesquisadores que afirmam que Adolf Hitler não tinha nenhum sentimento humano, eu descordo, quando Hitler ganhou a sua cadela Blondi (1941ou1942 não se sabe ao certo, e morte em 1945)Hitler a amava até mas que sua amante Eva Braun 
,Blondi permaneceu com Hitler mesmo quando ele se mudou para o bunker subterrâneo em janeiro de 1945. Em março, ou mais provavelmente em abril de 1945, ela deu luz à uma cria de cinco filhotes com o pastor alemão Harras, pertencente a Paul Troost.Hitler batizou um dos filhotes de "Lobo", seu apelido favorito e o significado de seu próprio nome, Adolf (lobo nobre), treinando-o.
De acordo com testemunhas, Hitler era muito afeiçoado à Blondi, mantendo-a a seu lado e permitindo que ela dormisse em seu quarto no bunker, uma afeição não compartilhada por Eva Braun, companheira de Hilter, que preferia seus dois cães scottish terrier, Negus e Stasi (ou Katuschka). De acordo com Traudl Junge, secretária pessoal de Hitler, Eva detestava Blondi e costumava chutá-la por baixo da mesa de jantar.
Antes de Hitler cometer suicídio em 30 de abril de 1945, ele ordenou que o médico Werner Haase testasse em Blondi os comprimidos de cianureto que ele utilizaria, temendo que as pílulas fossem falsas. Comprovada a eficácia do veneno, ele ficou completamente inconsolável e tirou sua própria vida pouco tempo depois. 
De acordo com um relatório encomendado por Stálin e baseado em depoimentos de testemunhas, o sargento Fritz Tornow, que cuidava dos cães no bunker, arrancou as crias de Blondi dos braços dos filhos de Joseph Goebbels e matou os animais a tiros no jardim do bunker. Ele então matou os cães de Eva Braun e seu próprio dachshund com uma injeção letal. Tornow foi posteriormente capturado pelos aliados. Quando a Batalha de Berlim terminou, o corpo da cadela foi exumado e fotografado pelos soviéticos.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

COREIA DO NORTE AMEAÇA ATACAR COREIA DO SUL - Seul promete responder a qualquer provocação

A Coreia do Norte ameaçou esta sexta-feira abrir fogo contra o Sul se o Governo de Seul não impedir activistas de lançarem balões com mensagens anti-regime no seu território. Há meses que não era emitido um aviso tão duro por parte das autoridades de Pyongyang.
Se os panfletos chegarem ao solo norte-coreano como está previsto acontecer na segunda-feira, “um ataque militar impiedoso das unidades da Frente Ocidental será posto em prática sem aviso”, anunciou a agência oficial KCNA. Também será alvo das forças norte-coreanas uma zona turística próxima da cidade fronteiriça de Paju, a poucos quilómetros da zona desmilitarizada que separa os dois países. “O Exército Popular Coreano nunca faz ameaças vãs”, disseram à agência comandantes militares.
Os activistas não se deixaram intimidar. “No ano passado recebemos ameaças semelhantes, e isso não nos deteve na altura, e não irá deter-nos agora”, reagiu Pak Sang-hak, um norte-coreano no exílio que há 12 anos fugiu para o Sul, citado pela Reuters. Pak é agora o líder da aliança de grupos de exilados norte-coreanos e activistas dos direitos humanos que pretende lançar em direcção ao Norte vários balões gigantes, com 200 mil panfletos, a criticar o regime de Kim Jong-un. Para além dos panfletos, chegarão também do ar algumas notas de um dólar. A aproximação de eleições presidenciais na Coreia do Sul, em Dezembro, e os planos de preparação de mísseis de longo alcance por parte de Seul têm irritado Pyongyang e levado a uma escalada de comentários belicistas. O Governo sul-coreano anunciou manobras militares na próxima semana com a participação de 240 mil soldados de todos os ramos da Defesa, e ainda de forças norte-americanas. O ministro sul-coreano da Defesa garantiu ao Parlamento que qualquer ataque será alvo de retaliação. “Se acontecer, haverá uma resposta perfeita contra a fonte do ataque”, declarou Kim Kwan-jin aos deputados. O seu Exército ficou debaixo de críticas depois de não ter detectado um soldado norte-coreano que atravessou a fronteira altamente militarizada entre os dois países para ir bater à porta do quartel dos soldados. “
Não seria a primeira vez que o Norte lançaria um ataque ao Sul (os dois países continuam formalmente em conflito, uma vez que a guerra de 1950-1953 terminou apenas com um armistício, sem acordo de paz). Em Novembro de 2010, o Norte abriu fogo sobre a ilha sul-coreana Yeonpyeong, provocando mortes civis. O país também foi considerado responsável pelo afundamento de uma corveta do Sul que terminou com a morte de 46 marinheiros, em Março do mesmo ano. Na quinta-feira, o Presidente Lee Myung-Bak fez uma visita surpresa a Yeonpyeong. “Se a Coreia do Norte nos provocar, deveremos responder em força. Devemos defender [a fronteira marítima] até ao fim”, citou a AFP.
Neto de Kim Jong-il na televisão O neto do “Querido Líder” Kim Jong-il, e sobrinho do actual chefe de Estado, Kim Jong-un, deu uma raríssima entrevista, a partir da Bósnia, onde está a estudar. Kim Han-sol, de 17 anos, afirmou a uma televisão finlandesa que gostaria de “tornar as coisas melhores” para o povo do seu país. “Sempre sonhei que um dia eu voltaria para melhorar as coisas e tornar a vida mais fácil às pessoas”, afirmou num inglês fluente. Han-sol é filho de Kim Jong-nam, irmão mais velho do actual líder, que tem vivido em Macau e na China. Falou ainda dos seus sonhos de reunificação das duas Coreias. Contou que tem amigos sul-coreanos e que, apesar de ter sido estranho ao início, “pouco a pouco” começaram a entender-se. “Ao ter conhecido pessoas, conclui que devo ouvir as opiniões de ambos os lados, ver o que é bom e o que é mau, e tomar as minhas próprias decisões”.
Nunca pôde ouvir as opiniões do avô ou do seu tio porque nunca os conheceu. Mas descreveu, segundo a BBC, a sua infância passada na capital sobretudo em Macau e na China. Só percebeu quem era o seu pai depois de “montar as peças de um puzzle” à medida que foi crescendo. “Não sabia se ele sabia que eu existo”. Fonte: Público Portugal

terça-feira, 2 de outubro de 2012

22 anos de reunificação da República Federal da Alemanha

No dia 3 de outubro de 1990 a Alemanha Oriental e a Alemanha Ocidental se reunificarão em um uma Alemanha só. Logo apos que os Aliados derrotaram o Reich Alemão de Adolf Hitler eles dividiram a Alemanha em Alemanha Ocidental (controlado por:França,Reino Unido,Estados Unidos) e na Alemanha Oriental (controlada pela União Soviética)e sua capital Berlim Dividida também em duas com o Muro de Berlim,esse muro tao famoso quanto a muralha da china dividira famílias,amigos etc... A reunificação foi marco Histórico mundial e que alguns historiadores afirma que foi o inicio do fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

63 ANOS DE REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

Em 1 de Outubro de 1949 os Comunistas entram no poder após 22 anos de Guerra Civil, as forças Nacionalistas de Chang Kai-Chek após serem derrotados pelo Exercito Vermelho Chinês, refugiram-se na Ilha de Formosa (Taiwan/Republica Da China). Mao Tse-Tung proclamou ao continente REPÚBLICA POPULAR DA CHINA, cuja o Governo estava sobe controle do PCC(Partido Comunista Chinês). o Pais recém formado Comunista passara por uma crise enorme pois 0,6% da população trabalhava em fabrica,em 1950 o mesmo ano que a China anexou o Tibete, o governo Chinês assina um tratado de amizade com a União Soviética, e pois em pratica as medidas radicais de transformações social e a economia do pais iria tomar como modelo a da URSS.
63 ANOS DE REPÚBLICA POPULAR DA CHINA.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

LONGA JORNADA com a FEB na Itália – Fornovo Di Taro

Alcides Basso diz que, ao chegarem a Tortona, pequena cidade que, aparentemente, havia sido menos avariada na guerra, os brasileiros ficaram acampados por dois dias. De lá, após receberem nova missão, retomaram a marcha até Fornovo di Taro. Após passarem a noite de 28 de abril protegidos, ao amanhecer, progrediram cerca de três quilômetros e chegaram próximo ao local onde os comandantes brasileiros e alemães estavam negociando a rendição da 148ª Divisão de Infantaria e remanescentes das 90ª Divisão Panzer Granadier e Bersaglieri Itália para a FEB. Acamparam e pernoitaram no local, fazendo segurança aproximada. O cenário da rendição alemã No dia seguinte, os alemães começaram a entregar armamento, carros, motos, bicicletas e até cavalos. Eram quase 15.000 homens, milhares de animais, viaturas e armamento. “Estávamos de um lado da estrada e os alemães do outro. Largamos as armas e atravessamos a estrada que nos separava. A guerra havia acabado e, se havia acabado a guerra, não mais havia inimigos. Uns falando um pouco em polonês, outros em alemão, acabávamos nos entendendo. Consegui trocar comida e cigarros por uma Parabelum alemã e uma Beretta italiana. Os soldados alemães trocavam qualquer coisa por comida, pois estavam com fome. Além disso, para eles, a arma não serviria para mais nada, e, de qualquer modo, teriam de entregá-la. Pelo menos matavam a fome. Tenho o privilégio e o orgulho de dizer que fiquei ali, de frente para eles, quando se renderam”, conclui Alcides Basso. Cumprida a missão em Fornovo, os contingentes da FEB prosseguiram para o norte, em perseguição às tropas alemãs, e ocuparam a região de Alessandria. Depois de passarem pela cidade de Turim, as tropas brasileiras realizaram a junção com as tropas francesas, em Susa. A missão estava quase cumprida. Os alemães haviam se rendido. Entretanto, até 3 de junho de 1945, a FEB realizou ações de manutenção de paz e segurança das áreas ocupadas. Pedro Vidal, depois de permanecer grande parte do tempo no Depósito de Pessoal, seguiu para o norte, integrado ao 11º RI, já no período de ocupação do terreno. “Não participei de nenhum grande combate, mas de algumas patrulhas isoladas, sim. Nessas ações, a maior responsabilidade era do ‘sargentão’, comandante da patrulha. No terreno ainda havia alguns tedescos e, não raras vezes, ocorriam escaramuças. Por isso, os deslocamentos exigiam disciplina e atenção total. Pelo desempenho nas patrulhas, vi vários companheiros serem promovidos. Saíam para a patrulha como cabos ou soldados e, dependendo da relevância e da complexidade da missão, ao retornarem, eram promovidos por ato de bravura”. Observação: Ao encerrar os capítulos intitulados “Ações em Combate”, é importante salientar que, por ter sido baseado em depoimentos de veteranos que efetivamente participaram dos combates, “Longa Jornada” não menciona passagens destacadas da FEB na Itália, como Monte Castelo e Castelnuovo, entre outros. Na edição ampliada, a ser lançada em 2013, esses combates terão especial atenção. Foto: Oficiais da 148ª Divisão de Infantaria (Acervo de Wanda Reis Pedroso)